Tokio Hotel fala o que faz pra banda não parar!

Tokio Hotel fala o que faz pra banda não parar!

Tokio Hotel deu recentemente uma entrevista para a revista francesa “Le Parisien Magazine”. Veja a seguir a matéria traduzida na íntegra:

Fonte: leparisien.fr
Tradução: Conexão Tokio Hotel Brasil

Um corte de porco-espinho à 220 Volts, 10 milhões de álbuns vendidos e multidões histéricas, e então nada, ou quase… Anos após seu sucesso mundial, Tokio Hotel retorne. Conheçam um fenômeno.

O público pré-adolescente tem um defeito: ele cresce. E afastou-se rapidamente daqueles que amavam, quando jovens. O grupo Tokio Hotel pagou o preço. Entre 2005 e 2010, os quatro jovens alemães, incluso os gêmeos Kaulitz, venderam 10 milhões de álbuns. Seus piercings, tatuagens e penteados inimagináveis desencadearam a histéria… antes de cair aos poucos no esquecimento. Hoje, o Tokio Hotel tenta renascer. Um novo álbum, Dream Machine, uma turnê européia… Berlim se encontra com sobreviventes da glória.

Olhando para trás, como você explica o sucesso do Tokio Hotel?

Bill Kaulitz (vocalista): Ouça as letras das nossas músicas. Elas falam sobre amores que não deram certo, drogas, suicídio… Estes temas incomodam bastante, mas falam com os adolescentes. Porque ser jovem é uma das coisas mais difíceis. Eu estava em depressão nesta etapa da minha vida. Ir à escola era como ir à guerra.

Tom Kaulitz (guitarrista): Aos 15 anos paramos de ir à escola. Não importa como, nós usávamos maquiagem como nós queríamos… Nosso modo de vida era um tipo de fantasia para os pré-adolescentes rebeldes.

Justamente, vocês nunca temeram pressionar estes jovens ouvidos?

Bill Kaulitz : Eu jamais escreveria textos de moral, ou diria aos fãs “Isto é ruim, não faça isso.” Essa possa ser, também, a chave para o nosso sucesso: não tentamos ser professores.

Do que vocês se lembram daqueles anos?

Bill Kaulitz : Foi incrível. Eu inclusive ouvi dizer que os fãs franceses escolheram aprender alemão na escola para que pudessem entender nossas músicas! Mas também haviam muitas coisas ruins. Nós mal tínhamos 16-17 anos e não podíamos sequer sair de nossa casa em Hamburgo sem ter uma horda de fãs que nos seguiam pra cima e pra baixo. Tivemos que contratar guarda-costas 24 horas por dia.

O retorno à normalidade não difícil após um sucesso tão grande?

Bill Kaulitz : Nós fomos afogados por esta loucura. Nós não tínhamos nenhuma inspiração para compor música, não estávamos felizes…Assim, em 2010, nós decidimos sair da Alemanha e nos instalar nos Estados Unidos. Lá nós não nos conhecíamos de verdade. Isto foi o que nos salvou.

Tom Kaulitz: E então começamos a refazer as coisas normais, como ir às compras ou ter tempo para conversar com as pessoas. Era também muito estranho (risos)!

Bill Kaulitz : Mas eu penso que fomos nós que abandonamos os fãs. Não o contrário. Em parte pela ida aos Estados Unidos, mas também pela mudança radical de estilo. Nossos dois últimos álbuns têm som pop e electro. É uma diferença gritante em relação ao que fazíamos antes. De fato, isto corresponde aos adultos que somos hoje em dia. É importante que as pessoas comprem nossos álbuns e vão aos nossos shows. Mas o que prevalece para nós hoje, é fazer a música que amamos.

Como estão se sentindo hoje?

Bill Kaulitz : Muito bem. Durante os shows, ainda é uma loucura, mas quando andamos pelas ruas, ninguém nos incomoda mais. É o compromisso perfeito. Sob estas condições, Tokio Hotel jamais irá parar!

Conecte-se com sua rede social para deixar seu comentário